Ilê Ase Opô Dangbálá - Babalórixa Léo de Oxumarê - Parte I

 

 PERSONAGENS 

MARIA APARECIDA: Rainha do lugar 
GRINGA: A estrangeira
PIPOCA: Vendedor de pipoca diabética e analfabeta
ZE E MANUAL: adolescentes de 15 anos, amantes e seropositivos
GABRIELA L'ORPHELINE: prostituta malcriada
SERGIO: pequeno vendedor de doces e lenços
ANTONIA: mãe de Sergio
IVONE: guardião de um convento
MAMA LOURDES: falsa vidente 
TONIO LE BORGNE: músico deformado
TERESA LA DEVOTE:  sapos de água benta
VIRA-LATA :  um animal de estimação da Plaça
OTAVIO: escritor falhado, alcoólatra
RUBI E SAFIR: irmãs gêmeas com ternura infinita
PADRE DENILSON: jovem padre idealista
SONIA LA PUTAIN: velha prostituta com um grande coração
DOTTOR AUGUSTO: Aristocrata comunista
TURCO: belo hidalgo viajante
O SINTONIZADOR: o filho de Maria Aparecida
NINA LA NORDESTINA: ex-conhecida de Maria Aparecida

 

casaleo38
casaleo35
casaleo36
casaleo34
casaleo33
casaleo32
casaleo31
casaleo30
casaleo29
casaleo19

                                                                                 

                                                creditos fotos : Fabien Liquori com os agradecimentos para Maye cristiane De Ode Fernandes
                                                                      para me ter dado a autorização de fotografar e publicar as fotos

SALVADOR

 

Entrei em uma cabana de folhas e papelão, recolhidos aqui e ali, aleatoriamente. Ao contrário do que você pensa, eu era uma garota feliz.

Mamãe era costureira, eu adorava ajudá-la, principalmente no carnaval. Lantejoulas, encantos e decorações iluminavam nossas vidas miseráveis. Ah, esqueci de te dizer, meu nome é Maria-Aparecida, sou filha de Yemanjá, como todas as meninas da Bahia. Quando você é filha do mar, não precisa mais de um pai. Olhe para esta mochila, eu a arrasto há anos.

Esta é minha "casa", minha única possessão. Mamãe me deu antes de morrer. Seu único legado. Ela reuniu seus vestidos mais bonitos para eu vender, me fazendo prometer que nunca seria Bailarina. Jurei tranquilizá-la, mas logo o demônio do samba me agarrou. Da minha glória passada, dos meus diamantes lixo, apenas este pacote fino permanece. Dinheiro queimava em meus dedos, meus anos de devassidão saqueavam tudo. Aparecida a magnífica tornou-se aquela velha que fala com você. Às vezes sonho e me imagino em uma dessas sobras coloridas que revestem o lugar, encostada na minha janela, conversando com os pássaros. É lindo demais, então, para me consolar, durmo na igreja do padre Denilson. Quando a noite caiu, abri a pequena porta de ferro e me refugiei em suas paredes azuis desbotadas. Não é tão grandioso quanto a basílica, mas tenho sua simplicidade. O ouro de São José me cega, tenho insônia lá e Teresa, a ave do destino, me impede de entrar. Na igreja, tenho um cantinho próprio, embaixo da estátua de Nossa Senhora Aparecida. Temos o mesmo nome, isso nos aproxima.

Eu sou gordo, preguiçoso. Aqui no local em cima do Pelourinho, eles me apelidaram de Pipoca.

Eu vendo pipoca, é fácil e, verdade seja dita, não saio da coxa de Júpiter ... Gosto de cerveja e açúcar, tenho uma barriga enorme e uma taxa recorde de diabetes. Considero vender pipoca no local como uma profissão de saúde pública. Sim, saúde pública! Não me olhe com aqueles olhos redondos, Gringa! Sim, por alguns centavos, trato as crianças, curo a dor no meu coração, ofereço uma sobremesa barata aos turistas e depois ... o mais importante, louvo milhares de narinas todos os dias que Deus fez. Cheire esse cheiro. Esse aroma, essa doçura intoxicante de caramelo ... Vejo seus olhos brilhantes, vamos lá, tome um pouco, você é muito bonita, Gringa. É difícil para você entender quando eu falo, eu sei. No começo, é sempre assim. Não tenho muitos dentes, açúcar ... Mas na praça todo mundo recebe o que tenho a dizer. Há dois jovens trabalhando para mim, eu garanto que ninguém ousa tirar sarro da minha cara. Como meu nome sugere, eu explodo ... Conheço Maria Aparecida? Que pergunta estúpida! Ela é a rainha do Pelourinho, ela e seu hábito de lavar as mãos ... nos deixarão irritados com essa história. Não tem problema, nós protegemos você, nossa Maria.

Eu sou Zé e ele é Manuel. Nós temos a mesma idade, quinze. Somos gays e HIV positivos. Loucos, tias, nós dois nos divertimos no local para pegar turistas. Como você, por exemplo, você tem uma boa cabeça, uma cabeça de pomba, então eu disse ... ah, sim, nós nos aproximamos deles em nossos uniformes esfarrapados e nos explicamos com papéis na boca ... bem, entendeu? Para evitar transmitir a doença, você entende ... dizemos a eles que estamos doentes, que seria bom comprar algo para comer, leite ou sabão, porque Manuel tem problemas de pele terríveis. . Às vezes funciona, às vezes não. Especialmente quando o Aparecida está perto. Ela diz que para os negócios não há nada pior do que nós, que assustamos os turistas. Não é verdade, nunca pedimos dinheiro, não somos mendigos. É que a sorte não nos queria e depois ... Fizemos coisas que gostaríamos de esquecer ... tivemos que ganhar nossa crosta ... Agora não temos forças. Oh meu Deus, eu te surpreendi ? Acalme-se, amigo, pena, você pode ficar. Nós somos caras durões. Qual é o seu nome. Você é brasileira. Você não parece e tem um sotaque engraçado. Diga, Gringa, você não quer comprar esse leite para nós?

 Nenhum gringo pode resistir aos meus olhos maliciosos e ao meu rosto angelical. No orfanato, eles não estavam errados : Gabriela como arcanjo, disse a irmã ... Você fala ... de um santo, eu só tenho o primeiro nome porque de outra forma ... Na verdade, o que eles mais gostam nos turistas, minhas nádegas são grossas, minha pele é firme e chocolate. Além disso, no trabalho, mas antes, eu tive que tomar um bom banho. Bem, amanhã não está com pressa. Há uma fonte, não muito ansiosa para lavar-me na frente da Praça ! Para me ver nua, você tem que pagar ... Bah, que pena, você terá que evitar Aparecida, se ela me ver nesse estado ... ela odeia quando meu cabelo está bagunçado ... A velha maluca, ela não amplia. Quando uso shorts curtos demais e uma camiseta que não esconde nada, sou bom para receber uma tapa. A mulher louca diz que meus seios são insolentes. Ela é divertida, a velha, meus seios e minhas nádegas, é tudo o que tenho para comer! Bah ... Apesar de tudo eu gosto muito, Aparecida. Ela é a única que se importa um pouco comigo, Gabriela a órfã.

Meu lenço de bom cheiro está lá ? Meu doce de gengibre ? Não vejo muito claramente e depois gostaria de dormir um pouco mais ... Mamãe vai me repreender se eu me atrasar, ela sussurrara para mim: "Sergio querido, por favor", ela terá aquele sorriso triste de sempre, desde que papai foi embora. No começo, pensei que ele voltaria, esperava por ele todas as noites e depois percebi que estaríamos sozinhos, mamãe, eu e os pequeninos. Todos aguardam seu retorno. Especialmente minha mãe. Eu não tenho coragem de lhe dizer a verdade. Mamãe trabalha muito, lava, passa a ferro, borda, mas isso não é suficiente. Suas lindas mãos se transformaram em dois pães duros. Então, para manter minha mãe bonita, eu abandonei a escola e a ajudei da melhor maneira possível. Hmm ... cheira essa colônia ! Vamos, Gringa, você não quer um lenço perfumado? É a mãe que ha bordado esse lenço, olha como é bonito. É lindo, não é ? E o meus doces ? Pegue pelo menos dois pacotes. Um pacote, um real, não custa nada. É bom para tosse, garganta e respiração. Você não precisa, cheira a bebê, como Taïssa, minha irmã, a última. Quantos anos eu tenho ? Não consegue ver ? Sete anos, sou um pouco pequeno para a minha idade, mas ... juro que não estou mentindo ! meu nome ? Sergio. e meus doces ? Bem, dissemos quatro reais para os dois pacotes. Por que esta dando risadas ? Eu disse dois reais ? Eu devo estar errado. Por favor, me dê quatro reais, para que eu possa pagar uma aula de batucada, eu sonho em ser músico. Se você me der quatro, posso pagar uma semana inteira de aulas. Você gosta ? Obrigada. Diga, Gringa, por que há lágrimas nos seus olhos?

Meu sonho é ser atriz. Uma ótima, como Olympia Wagner, por exemplo. Imagino que meu nome apareça nas telas em letras grandes, "Ivone Santos", e, só de pensar nisso eu tremo. Então eu olho, percebo como os turistas se vestem, especialmente as Francesas e ... as Italianas. Elas são sempre tão elegantes, tão magros ... Alem disso, eu ouço rádio. Eu teria comprado uma pequena televisão para acompanhar os romances, mas os jesuítas não querem saber nada sobre isso, então estou entediado no topo da escada do que foi um dos conventos mais poderosos do Brasil. Cercada por jacarandás e azulejos, rasgo ingressos o dia todo, as pessoas nem me veem. Aqui, o tempo parou e eu com ele. Sinto que as mariposas vão me roer como fazem com aquelas mitras sem idade com as quais ninguém se importa. Às vezes, Aparecida parece para encher as garrafas na torneira e conversamos. Ela diz que aqui Deus me protege e que em outros lugares estarei em perigo. Ela diz que sou bonita demais e que isso é má sorte. Ela sabe do que está falando, Maria. Quem acreditaria que essa velha enruguecida era o orgulho nacional, a rainha do carnaval, a deusa do samba?

Não diga nada, eu sei quem você é e por que você bate na minha porta, maldita Gringa. Setenta e seis anos em que os deuses me honraram, que me fizeram seu mensageiro. Todo o Brasil ama meus poderes, os maiores me temem e me consultam. Seu rosto é suave, mas eu, mãe Lourdes, o leio profundamente em sua alma. Filha de Yemanjá, vinte e um Orixás protegem você. Você vem de longe de um passado conturbado, mas não encontrará nada aqui. Vá embora Salvador está cheio de espíritos maliciosos. Não acredite em mim se quiser, mas tenha cuidado, Aparecida está olhando para você, tenha cuidado ou isso irá destruí-la.

Na Praça, todo mundo me conhece como Tonio, o homem de um olho só. Você sempre me encontrará no mesmo lugar, perto do café do César. Na verdade, não só tenho apenas um olho, tenho uma perna de pau e minha mão direita não obedece mais. Nasci sob uma estrela rindo e rapidamente me resignei à minha condição. Eu só tomo o lado positivo, o resto não importa. Não é fácil ganhar a vida quando você está deformado, mas Deus me deu uma voz profunda e eu posso arrancar as lagrimas dos seus lindos olhos se eu quizer. Seduzo e sobrevivo graças as minhas músicas. Meu repertório é variado, mas apenas as músicas tristes me tocam, elas tendem a me alegrar, me tranquilizam. Quem os escreveu também sofreu. Aqui, Aparecida, ela vai querer que eu cante. É chato porque me proibe pegar meu violão e sem ela... O que ? Você aprenderá em breve. me escuste. Gringa, eu pousso tocar seu coração Amanhã você voltará para ovir Tonio, o caolho.

Você é o primeiro a jogar um obolo em mim, provavelmente no último dia. Deus te abençoe, Gringa. Quase trinta anos se passaram desde que Teresa, a devota, foi pregada nesses degraus de pedra, a Bíblia como sua única companheira. O lugar me ignora, me despreza. Outros afirmam que sou devoto e que minha vida é dor. Como Cristo, sou crucificado nas lajes congeladas e mortais da basílica. A manhã, meio dia e tarde. O sol, o vento e a chuva não me desanimam, só temo a ira de Deus. Todos cantam sobre a beleza do lugar, o vigor de suas árvores, o encanto de suas casinhas, mas eu, Teresa, não vejo nada além de miséria. Olhe para esses rostos, apague sombras, explore almas. Por trás dessas máscaras felizes esconde uma tristeza. Somente a Bíblia os libertará, mas eles não me ouvirão cantar a Palavra do Senhor. No dia do juízo final, todos serão responsabilizados, ninguém escapará da punição. Sem redenção, apenas serei salvo. Aparecida pagará, a ira do Divino o aguarda, os muros da basílica não são grandes o suficiente para conter suas falhas. Hoje ele dorme na igreja do padre Denilson, mas uma vida no inferno não seria suficiente para expiar! Reze por sua alma, minha filha. Não chegue perto dela, ela irá contaminá-lo com seus olhos loucos. Sente-se e leia este salmo, Gringa, ele o protegerá.

Que cheiro tentador! Que agitação! Tenho certeza que vou me divertir. Esta noite é uma celebração, um dia abençoado. As pessoas bebem e dançam, então têm aquele cheiro forte e doce que as faz balançar e soltar o que têm nas patas. Direto na minha boca Estou babando de antemão.

Você terá que ter cuidado, pois os outros cães voltarão em breve. Haverá uma mulher. Estou animado por não ser permitido. Espero não sofrer muitos golpes ... Se eles começarem a se contorcer com a música, isso é ruim para mim, o cachorro vadio ... Aqui está a velha que não cheira, ela passa o tempo derramando água nas mãos, que idéia ... Você realmente tem que ser louco!

Eu tenho andado por aí neste café bebendo vodkas de má qualidade há anos. Só o álcool me permite suportar esse lugar, o envenenamento o torna mais vivo e menos infeliz. Cheguei na Bahia seguindo os passos do meu professor e único deus, o imperador de Salvador, Jorge Amado. Eu pensei que sua cidade me daria um pouco desse talento do qual estou vazio, mas prostitutas e vagabundas só me inspiravam com pena e nojo. Olhe para aquela órfã, com aquele cabelo peludo, só para ver sua inspiração pingando ... mas que idiota ... Pssst, Gabriela, venha aqui! Depresa, putinha, eu farei seus negócios ... e seus seios se movem ao ritmo de seus quadris ... Sente-se. O que Quer ? Um espeto? !! E que mais? Afaste-se e vá lavar, você fede! As crianças de rua me irritam. Não sei por que ainda estou me envenenando com essa vodka infame. Meu talento será ignorado para sempre. Os Orixás não queriam que ela tivesse sucesso, ela teria eclipsado o incrível Amado. "Esta cidade te destruiu, Otavio", diz a garota maluca com o lenço vermelho, a única que entende que meu fracasso é inevitável.

Vamos, amigo, tire uma foto comigo. Você não me acha linda com minhas rendas e anáguas? Você terá uma bela lembrança cheia de sol e sorrisos. Só peço uma pequena contribuição para a manutenção das roupas. Está de acordo ? Tudo bem Pipoca, tire uma foto com Gringa. Vamos afogá-la de bom humor. Somos as irmãs Rubi e Safir, os pilares do lugar, aquelas que vêm ver quando estamos aflitos. Nós mimamos você em nossos braços de caramelo, agradamos você com nossos fanfreluches e deixamos seu coração fresco. Fazemos com amor, não levamos um centavo, pedimos a Maria Aparecida, ela virá e será abraçada.

Minha igreja nunca está vazia. A razão é simples, a pesada porta de madeira entalhada nunca se fecha, a casa do Senhor é um refúgio para todos em todos os momentos. O bispo ficou bravo, eles me chamaram de louco, original, mas eu resisti. Roubamos alguns cálices, não me importo, eles devem ter precisado deles. Fui à guerra com a diocese, eles me acusaram de defender esses infelizes, de incentivar seus assaltos. Deixe que pensem o que querem, sei que Deus não precisa de ouro ou dinheiro. Meus seguidores se tornaram meus amigos, minha família. Eu que temia Salvador, sua macumba, seu Candomblé ... Quando eu celebro missa em minhas paredes cor de céu, é uma grande festa. A Praça canta com o coração, nossas vozes ressoam e atraem turistas. Ao amanhecer, quando meu altar floresce, às vezes encontro Aparecida dormindo em um banco, com o rosto em paz. Somente minha igreja apazigua. Meu nome é padre Denilson e estou cuidando de você.

Meu corpo é um refúgio, bem-vindo almas perdidas. Quem vai ver uma velha prostituta, se não eles? Nobres, plebeus, bandidos e pervertidos, eu conheço todos. Não estou mais muito atento, nem sempre fui assim, mas tenho meus ingressos ... nem sempre fui assim, mas já Não tenho idade para ser difícil. Quem ainda ama Sonia, uma grande prostituta com uma barriga flácida e seios muito pesados? Nesta praça, não arrisco nada, a gangue feliz me protege. Quando os negócios correm bem, vou ao confessionário da padre para que ele seja absolvido. Os anos me tornaram supersticiosos ... Quarenta anos de serviço e eu ainda viva ... não por acaso ... É porque o bom Senhor queria. Vi algumas das meninas presentes, sífilis, facas alcoólicas ... as pobres, elas não eram mais boas para nada, apenas para se deixarem morrer. A casca, o novo garoto, nós gostamos, não se achar. Ele é um cara como nós. Com ele, não nos sentimos culpados, porque um pouco ali eu posaria como santa ... Costumo aproveitar a privacidade da cabine de votação para trocar de roupa. Seria indecente manter minhas roupas de trabalho fora do relógio ... uma vez vestida, eu ando por aí, troco notícias e cumprimentos e depois me junto a Rubi e Safir. Lá, à sombra do grande jacarandá, conversamos, turistas, Aparecida e eu. Às vezes, Sergio nos encontra. Pobre, o pai o deixou, a mãe e os seis filhos. Agora ele é o unico homem da família. às sete, você fala de uma infância ... Finalmente, aqui, nós nos consolamos, rimos, raramente reclamamos. Serve para que ?

 Falo francês como você, Gringa, Augusto para atendê-lo. Eu venho de uma dessas famílias poderosas, onde estava na moda falar na língua de Molière. O único filho do rei do café, meu pai me idolatrava. Muito rapidamente, senti tédio e nunca encontrei nada melhor do que ingressar no Partido Comunista. A ditadura militar me ensinou tortura, covardia e amizade. Chorei como uma criança, implorei e exigi da minha mãe. Nas minhas noites sem dormir, ainda consigo ouvir o grito daqueles que conseguiram resistir. Olhe para o meu cabelo, o medo o alvejou antes da idade, para esquecer a dor e domesticar minhas mãos trêmulas, tornei-me médico e me refugiei na Bahia em busca de luz. Eu não aguento mais a escuridão As crianças da Praça me amavam, a coragem delas me dava esperança. Não sei por que somos um povo tão gay. Provavelmente por modéstia. Ninguém se importa com o infortúnio.

Com uma bolsa e minhas facas, viajo. A música me intoxica, o ritmo da bateria me obsedia como o corpo de certos mulatas. Baia de todos os Saintos é o único amante a quem sou fiel. Presto homenagem a ele várias vezes ao ano, nada existe enquanto seu doce aroma almiscarado, cores vibrantes e praias selvagens. Salvador, aqui sou eu. Turco não deixou você por muito tempo.

Gringa, a estranha. Mesmo aqui, eu me tornei uma estranha. No entanto, como eles, eu era brasileira, uma mulher comum com prazeres simples. Pertencia a uma história com páginas suaves, sem surpresas. Numa manhã de abril, perdi lágrimas. Então eu caí vagando. Em um universo sem horizonte, sempre em movimento, oco. Meus anos de peregrinação apagaram o sotaque carioca do qual eu estava tão orgulhoso e identificado. O dispositivo desligou, eu atravessei o chão, pisei nele, cavei, bati. Eu queria segurar suas raízes para me parar, mas meus pés loucos escorregavam uma e outra vez. Minhas fotos cinza e sem esperança acabaram parecendo iguais. Em uma tarde chuvosa, vi os capítulos correndo a toda velocidade ; então, como um cavalo louco, a palavra "fim" se precipitou em um galope furioso, era hora de terminar minha história. Então, voltei, encontrei a Bahia, terra dos meus ancestrais.

O tempo passa, mas os seres não mudam. Mais de cinquenta anos se passaram desde que cheguei às praias da Bahia, Nina, uma "gringalette" do nordeste em busca do futuro. Um notário me contratou para limpar e cozinhar. Ele era um bom chefe, justo e solitário. Quando ele morreu, ele me deixou uma bela soneca e um quarto nesta bela casa rosa, não muito longe da casa de Gringa. As línguas malignas dizem que essa herança deve ter me custado caro, não me importo com as fofocas deles, elas são pura inveja. Meus dias são passados ​​na janela observando a Praça e seus filhos. Maria Aparecida é uma velha conhecida, temos a mesma idade. As pessoas não acreditam, mas é verdade. Pergunte a ele. Embora ... ela nunca lhe diga a verdade, ela não pode suportar meu rosto sem rugas. Maria a louca, flor da Bahia, permaneceu por anos a rainha indiscutível do Carnaval, intrigante para que seus concorrentes fracassassem. Ameaças e chantagens nunca a assustavam, como os escrúpulos ... Viver à noite, beber e dançar tem um preço ... o mal também, sempre acabava pagando. Agora que está murcha, a flor envenenada, finge estar louca, é muito conveniente ... Eu, minha memória é uma biblioteca perfeitamente ordenada. A amargura amarelou as páginas dos piores livros, os devorou. Os outros, os que estão na linda capa de couro, resistiram ao teste do tempo, e às vezes acaricio o papel. O único homem que amei, Aparecida, tirou de mim ... Graças a Deus há justiça ... seu grande infortúnio é ter sido pai de um criminoso. Seu filho é o ser mais temido de Salvador, um assassino sedento de sangue. Por que você acha que ele lava as mãos com tanta frequência?

Olhos estranhos me evitam, fogem, se afastam desse velho negro preto com o lenço vermelho brilhante. Meu único crime é lavar as mãos. Sou conhecido por isso, não posso evitar, ele é mais forte que eu. Estou bem, só gosto de lavar as mãos. Meu império diminuiu ao longo dos anos. Antigamente, o povo de Salvador venerava minha beleza, lisonjeava a rainha do Carnaval. Todo mundo queria tocar minhas roupas leves, roubar um pouco dessa aura que era minha. Meu nome é Maria Aparecida e ainda reinado no Pelourinho. Eles me enlouquecem, mas eu sou menos que você.

Bebe, Gringa. Pegue este copo, engula. Ninguém aqui leva o que está acontecendo comigo melhor do que eu. É a punição suprema, a mais cruel das punições. Você sabe que sou um escritor fracassado e minha caneta nunca produziu nada digno disso, a culpa é de Amado. Bebe, não seja bobo. Esse néctar lhe trará esquecimento, apagará suas obsessões, diluirá sua dor. Boa garota, você bebeu tudo de uma vez. César, venha lá, nos dê outro e sem comentários, por favor. Então Ok, hein? Veja bem, o álcool fará você renascer. Pobre garota. Você merece mais do que esse lugar podre e seus idiotas que o ocupam. Você precisa de um homem como eu, que te entenda, acaricie você. Então você vê isso? Aí está, beba novamente. Nós somos a mesma raça que você e eu, a dos senhores, os vencedores ... Você está rindo? Você está bêbado, chegue mais perto, deixe-me te beijar. Na bochecha, sim, se você prefere. No final, você só esperava isso, meus beijos. Vamos, Gringa, vamos para minha casa. Você precisa ser abraçado pequeno. Deixe-me te beijar lá na sua boca. Não quer ? Por que você está virando a cabeça? Eu não sou bom o suficiente, talvez? Cadela, você não é melhor que Gabriela, a órfã. Pobre puta, me provoque com seus olhos lacrimejantes e depois faça sua modéstia? É isso, me insultando. Você já se olhou? Você? Um artista? É isso aí, ha ha ha ... Junte seus pés descalços, seus mendigos em mau estado, suas prostitutas patéticas ... Vá em frente, corra e consolo-se com seus vagabundos miseráveis, você se parece com eles ...[...]

Pipoca está doente como um cachorro, indigestão. Mamãe fez caldo, acho que ele não gosta ... Ele já engoliu dois pacotes de doces e eu não tive coragem de impedi-lo ... Ivone o colocou em uma cela no convento, ela diz que sua Pipoca será melhor lá do que em um colchão podre. Parece que sua esposa o expulsou e ele fica como um vagabundo a noite. Pobre Pipoca, o Dr. Augusto alertou que muito milho não é bom, que explodiria como sua pipoca. Depois de Maria Aparecida, ele é um pouco como o chef da Praça, hein Gringa? Para mim, a verdadeira rainha é você. A palavra de Sergio, Gringa, depois da mãe, você é a mais bonita. E então você sempre cheira bem. Diga, você não vai nos deixar? Você vai ficar? Você prometeu?

Gabriela, a orfã, afirma que o local esquece sua rainha. Essa gringa os encantou. Tudo como eles são. Turco demais, Tonio, o hilariante homem caolho, Rubi e Safir arrasado, Pipoca no convento, Augusto falador, nada normal ... Que gangue de ingratos! Esqueça essa mulher frágil e chata, uma estrangeira vulgar ... Não, não vou permitir. Mama Lourdes me ajudará a aniquilar aquele que se atreveu a tomar o meu lugar. Desde a sua chegada, o local não correu bem. Droga!

Então Aparecida, sussurramos que você está acabado, liquidado, Aparecida nas masmorras ... Ah, Ah, digo adeus a você, imperatriz do meu coração. O que você fez para que seus súditos o abandonassem tão rapidamente? Uma beleza pálida teria destronado você? Eu nunca teria acreditado que isso fosse possível. Não, você não, Maria Aparecida, rainha do Pelourinho, a única que eu nunca soube dobrar. Como eles se atrevem? Você não me tem mais medo? Em Salvador, todos temem e amam meus olhos negros. Eles me conhecem como o afinador, aquele que, com seu violino, dá à luz melodias inesquecíveis. Meu violino é a única coisa que você nunca me deu. Uma manhã você me disse dizendo que com isso eu seria capaz de sobreviver. Aos oito anos, você sobrevive a tudo, mas não a sua mãe que abandona você. Meu instrumento, hino ao amor, pode ser uma arma formidável. Com um baque forte, rasgo uma corda e corto a garganta de um insolente. Quem mergulha nas profundezas dos meus olhos desliza irreparavelmente para o abismo do inferno. A corda da morte se junta aos meus outros troféus, os que eu não conto mais. Esta noite minhas cordas rangerão.

Gringa, sou eu de novo, Sergio. Mamãe me pediu para avisá-lo, você tem que ter cuidado. A praça é agitada, Maria-Aparecida não pode ser encontrada. Tonio, o homem de um olho só perdeu a voz, Zé e Manuel têm olhos febris, Pipoca jejuou e até o padre Denilson foi enclausurado em seu confessionário. Alguns dizem que a culpa é sua, estranho. Perdoe-me, Gringa, mas mamãe queria que você soubesse. Gringa, sou pequena, mas não acredito em você. Não se preocupe, eu vou protegê-lo. Aqui, pegue minha mão.

Para onde foi Aparecida? Estou procurando por ele há horas, o pacote e as garrafas estão embaixo da estátua do santo, e isso é um mau sinal. Ivone confirma que hoje ele não sabe como chegar na fonte. Não entendo. Esse desaparecimento me intriga. Senhor, eu não sou feliz, nem um pouco feliz. Tanto é assim que me pergunto se vou celebrar a missa. [...]

 Gringa, gostaria de dizer uma palavra para você. Voce tem pressa? Um minuto por favor. Siga-me, vamos ao jardim, é o único canto feliz do convento, descansei lá e às vezes compartilho meu lanche com os pássaros. Sim, sou eu, Ivone. Está lindo aqui, né? Eu amo essas árvores velhas com raízes retorcidas, folhas verdes, seiva brilhante. Mas não, ele não está lá para admirar a natureza. Escute, você é educado e vem de longe ... Preciso do seu conselho. Gostaria de sair, deixar este convento ..., não posso mais suportar esta vida ... O que eu gostaria? Seja atriz. De volta a São Paulo. Você acha que eu tenho uma chance? No rio? São Paulo Sim, eu não tenho medo. A praça ? Bom, vou ter que deixar um dia ... Turco? Vou me cansar em breve ... A única coisa que me impede é a minha Pipoca. Eu queria te perguntar ... você vai cuidar dele? Vê-lo de vez em quando? Sim Prometido? Obrigado, Gringa, eu sabia que você me ajudaria. Você é uma boa garota, Gringa. Eu gosto de você ... apesar de todos os seus silêncios.

Ivone me assombra, seu corpo, seus olhos tão verdes. Não há necessidade de pensar nisso, em breve você irá para São Paulo. Atriz. Que idéia! Por que afinal? Com esse rosto, todos enlouquecerão. Talvez ela me torne famosa? Vamos ver. E você, Gringa? Você vai me deixar experimentar sua pele diáfana? Estranho misterioso, você não vai resistir a mim. Palavra de Turco.

Estranho, eu ouço a música, parece um violino. Quem está brincando debaixo da minha janela nesta noite sem lua? Está escuro demais para procurar por você, melodia triste. Talvez outra hora. Os becos do Pelourinho geralmente aliviam minha insônia. Quando o local adormece, saio do quarto e ando pelas igrejas. Eu olho para cima, as estrelas sorriem para mim. O céu está muito claro. Às vezes, encontro Gabriela, a orfã que interpreta ou Pipoca que vagueia, perdeu a alma e a tristeza. Nos cumprimentamos em silêncio, continuamos nosso caminho. À noite, todo mundo guarda seus segredos. Volto exausta por esses longos passeios solitários e adormeço em um sono sem sonhos. Obcecado com imagens do passado, hoje à noite, não terei sucesso. Vãs lembranças que minha memória se recusa a apagar.[...]

Na Praça, o violino é lamentável, mas quem se atreveria a falar sobre isso? O único que desafia o tabu é Otavio. O álcool lhe dá coragem, um dia o silenciaremos ... Gringa rola silenciosamente, às vezes sussurrando um ditado em suas andanças noturnas. Uma canção de ninar persistente de outro mundo. Desde que Aparecida desapareceu, minha voz foi descarrilada. Não ouso mais tocar violão, suas notas falsas e desastrosas me machucam. Zé tosse sem parar. Um contra o outro, ouvimos nossos corações, eles estão muito cansados. Amanhã teremos que pedir uma calda, por enquanto, nada a ver com água com açúcar. Você ouve Senhor Reconheço essas anotações ... Pare de tossir! Zé ... você entendeu isso também? Ele é o sintonizador, o único que toca assim. Deixe-me, eu quero ver. Não estou arriscando nada, não se preocupe, já estou morto ... Zé, ele está na varanda, sentado com o violino. Gringa acende a luz. Meu Deus, não! Não podemos permitir que isso aconteça ... Zé, acalme-se, tenho que avisar Gabriela, ela está batendo nas proximidades, ela sabe onde está a louca. Eu prometo que nada vai acontecer comigo. Zé, já chega. Nesse caso, é tarde demais, você terá isso em sua consciência ... Bem, eu estou saindo, não se preocupe, eu voltarei. Hoje não há muitos clientes. Que pimentão! Estou exausta, estou indo para casa. Bah ... Férias não podem machucar ... Quem é esse? Mas ... parece Turco, o que diabos ele está fazendo lá? Não estou realmente acostumado a andar assim. De qualquer forma, não sou eu quem vem ver ... Ele, são as meninas que pagariam para dormir ... Ivone me confessou que é o golpe do século, a pobre, ela é seriamente afetada, eu nunca visto assim ... Vamos, por causa do meu pequeno Ivone. Mas para onde isso vai? Segure um violino. Mas ... o violino ... só pode ser ele! Virgem Maria ... Se perca, Gaby, haverá sangue ...

Que música é essa? Terrível, estou sonhando acordado agora. Nunca estive ansioso, fé Pipoca, mas agora você não pode dizer que é ótimo. Desde que Ivone me santificou neste convento, não tomei uma cerveja. Uma boa cerveja bem gelada. Puta, o que eu não daria por uma boa loira fresca? Isso é tudo, não há como voltar a dormir. Eu tenho que sair desse cofre. Sonia me disse antes que existem muitos padres enterrados sob os paralelepípedos da capela. Como você quer que eu cure aqui? Eu parecia bem na frente de Zé, mas agora estou ficando louco. Não sei o que me levou! É suicídio e não um vestígio de Gabriela. É um golpe acabar no necrotério, nesta história ... Aqui está Turco, para onde ele está indo? Ave Maria ... Não, não, não, não, não. Que garoto bonito.[...]

 Manuel se apega a mim, sua mão derrete na minha. Sua sede pela vida e sua coragem me impressionam, eu que pensei que ele era fraco. Zé já sabe disso e, quando nos vê, se joga em nossos braços, feliz por ver nossas cabeças. Eles trocam um olhar e eu entendo o amor deles, eu os invejo. Se ao menos ela pudesse me ensinar.

Tenho medo. Pela primeira vez, teria sido melhor ouvir mamãe e calar a boca, mas não posso ficar esperando a desgraça. Eu amo Gringa demais. Quem além dela vai pegar minha mão e me levar para comer bolos? Quem vai acariciar meu cabelo por horas? Eu tenho que salvá-la. Do teto, vejo o afinador e minha Gringa dormindo ao lado dele. Meu coração bate tão forte que meus ouvidos doem. Além disso, tenho um desejo terrível ... Meus olhos coçam, não chore. Eu odeio ser um menino, eu gostaria de ser como Turco. Eu nunca fiz orações, mas aqui eu daria doces e moedas para encontrar uma.

Meus dedos tremem, tamborilando, hesitando. Eles passam por você, beliscam você, se perdem em sua pele âmbar. As curvas do seu corpo me fascinam, eu as conheço muito bem, meu arco as desenha em noites solitárias. Olha, maldito violino, Gringa acorda. Seus olhos me perguntam sem medo. O imprudente se senta e me beija levemente na testa, presente casto para recompensar essas horas de paz. Seu rosto sereno irradia bondade, ele sorri para mim. A morte vai esperar. Gringa, pegue esse violino e entregue a María Aparecida, a pessoa que nunca me olhou com tanta doçura. Não, não vou mais jogar por você. Tonio de um olho só fará isso por mim. Adeus, Bahia.

Aqui eles vêm, eu os vejo reunindo-se no local. Eles me cumprimentam entre minhas cortinas azuis. O sol está lá, juntando-se lentamente aos outros. Real, Maria Aparecida espera nos degraus da igreja. Seu corpo é rígido, tenso com a verdade. O fim está próximo. Renunciada, ela espera pelo filho. Eu, Nina, sei que ele não virá, ele é a afronta suprema. Sergio cochilando perto de mim, deslizou entre os azulejos e deslizou em direção a minha ternura. O sintonizador parece ter fugido pelos telhados, transfigurado.

Eles estão todos lá, meus filhos. Safir rosna, preocupado com sua porcelana Gringa, Rubi a convence. Pipoca bebe uma cerveja sob o olhar de desaprovação de Dottor. O padre Denilson está preparando sua igreja, uma última homenagem a Otávio, você precisa perdoar, diz ele. Ivone trança os cabelos de Antonia, Turco cuida de seus pés. Dottor Augusto suou, ainda não é de dia. Tonio o apito de um olho. Mama Lourdes e Teresa, a devota, prevêem o pior, Gabriela, a mordida órfã, a cabeça apoiada no ombro de Sonia, a prostituta. O cachorro entra furtivamente na igreja procurando pelo padre Denilson. Sergio espera perto de Nina, que me olha com seu ódio habitual. Maria Aparecida, rainha do Pelourinho, não deixou muito tempo para você.

Encontrarei Maria Aparecida, cumprirei minha promessa. Violino na mão, procuro becos, praças e igrejas. O músico foi embora, terei que esquecer a dor de seus olhos tristes, a beleza de suas mãos, seus silêncios. Suas anotações estão comigo, elas nunca vão me deixar. Meus dedos apertam as cordas de seu violino, tremem e depois encontram algum controle. Pela primeira vez, eles tocam a canção de ninar nesta manhã de abril, em outro lugar, em outra vida.

Qual é a voz clara que zumbe? Nem um fôlego atravessa a Praça, todos os seus filhos congelam. Gringa se aproxima, determinado. Surpresa ao ver o local assim montado, ela abre bem os olhos, mas se recupera ao ver Aparecida, uma estátua de orgulho que a olha friamente. Ela dá um passo à frente com determinação e entrega a ele o violino, uma oferta amaldiçoada. Aparecida dá um passo para trás, petrificada. A buzina caiu, balançou, recuperou-se rapidamente, desceu os degraus da igreja, derrubou as garrafas e desapareceu.

                                                        Livro traduzido do francês "Les enfants de la Place" de Yasmina Traboulsi pp 9-42

casaleo43
casaleo80
casaleo52
casaleo51
casaleo50
casaleo49
casaleo48
casaleo47
casaleo46
casaleo45

 

 

 

Rio Vermelho CP 2102 41950-970 Salvador – Bahia – Brasil +55 (71) 3261 3400 +55 (71) 9993 42484 horta.fatumbi.fabi@gmail.com

Este site usa cookies para sua operação e medição de audiência.