A resiliência de um viajante desenraizado

Quando eu tinha 17 anos, quando cheguei da França e não conhecia ninguém na minha nova escola secundária no Brasil, eu usava drogas. Eu fiz isso de vez em quando para me tornar interessante. Eu nunca comprei drogas, mas as usei durante as noites festivas com amigos. Então, quando eu saí da escola, eu naturalmente parei de usá-lo. Comecei a viver como casal e a trabalhar no ramo de restaurantes, mas nunca tive uma queda pelo álcool. No entanto, na minha profissão, tive a oportunidade de experimentar todos os álcoois, mas não gosto de cerveja ou apenas em variegada, misturada com limonada.

 

Mais tarde, como parte de uma licença de formação, segui uma formação de alto nível em enologia.
Dos sete pecados mortais, só conheço a gula. Eu gosto de vinho e eu era um especialista, mas eu só bebo na mesa de degustação. Eu também sou uma ótima sala de jantar! No entanto, se tenho estômago, não é por causa da minha dieta ou falta de exercício, mas porque há muitos anos tenho um tratamento médico pesado e permanente que atua sobre o estômago. Esôfago, a laringe e seu conduto para o estômago.
A partir dos 24 anos, quando comecei um ciclo universitário, não toquei em drogas novamente. Eu sempre fumei Canabis e não usei drogas duras ou químicas. Eu também era um fumante inveterado e muito viciado em tabaco há quinze anos (de 19 a 34 anos). Como tal, lembro-me de levantar, às vezes, no meio da noite para fumar e meu primeiro instinto, quando acordei, era acender um cigarro.
Mas desde que parei de fumar, durmo melhor.
De todos esses vícios, eu só conheço um: o açúcar. Atualmente, por motivos de saúde, tomo insulina injetável diariamente.
Minha primeira descompensação com urgência de internação psiquiátrica, associo-a, diretamente, a uma ruptura afetiva, durante meu primeiro relacionamento romântico sério. A vida de um casal parece não ser adequada para mim e estar contra mim, indicada para a harmonia com os outros e com o meu ambiente. Eu me esforço para conter minhas emoções, rapidamente perco equilíbrio por ter reações desproporcionais, fazendo com que os filmes se desconectem da realidade. Isto está certamente relacionado com a história da família e eu diria até que é devido à história dos meus pais sobre o reencontro deles, mas também à sua própria experiência individual e pessoal. De fato, a privação emocional que sinto se deve ao fato de que meu pai nunca me amou e que ele nos usou, sempre para estar mais perto do filho de seu segundo casamento.
Desde que eu era o único filho, expressei minha dor dessa forma ...
Acredito na amizade, tenho ao meu redor pessoas que reconhecem meus valores humanos, em particular, minha franqueza. Estou ressentido mas sincero, não sei esconder minhas emoções. Nós vemos, imediatamente, se algo me enoja. Eu não suporto hipocrisia e relacionamentos superficiais.
Em suma, eu sou inteiro, cru ou melhor, eu diria autêntico. Não comprometo meu relacionamento com os outros nem questiono a escolha de onde moro, desde que esteja em conformidade com a direito e a lei.

resiliência de um viajanteEu tenho uma profunda paixão por escrever, mas estou irremediavelmente preso a uma disortografia que requer um esforço em todos os momentos para não ser pego por essa inconveniente irritante.
Consegui esconder esse infeliz defeito com o avanço tecnológico dos corretores ortográficos no software de processamento de texto, mas mesmo assim, não há nada a fazer, sempre caio da mesma maneira ... "Tenho que criticar!"
Minha mente trabalha muito rápido, tenho que escrever, para mim o importante é a fonética das palavras. Isto está certamente ligado ao meu bilinguismo e às condições muito particulares em que fui arrancado da minha pátria.
Minha mãe, que se separou do meu pai, quando ainda estava grávida da minha irmã, teve que lidar sozinha com uma mudança internacional, numa época em que o Brasil, sob o regime militar, era ainda mais protecionista economicamente do que hoje. Especialmente quando se trata de bens humanos.
Minha mãe decidiu me mandar para a França sozinho, dez meses antes de seu retorno com minha irmã que acabara de nascer. Antes de deixar o país, tivemos que nos preparar para nossa mudança e sair legalmente do ponto de vista do casamento (separação conjugal com a custódia dos filhos).
Então eu vim sozinha para a casa dos meus avós que infelizmente não falavam português.
Aprendi os dois idiomas ao mesmo tempo, o português brasileiro porque eu estava em um contexto de classe média alta brasileira onde a fundação da sociedade é baseada na coesão social pela Educação Infantil de Baba (que não foi o caso de minha irmã na sua educação) e naturalmente aprendi francês, já no Brasil, com minha mãe que só falava comigo naquela língua.  Por outro lado, estudei no Rio, desde muito cedo, em uma escola franco-brasileira.
Então para mim essa passagem entre o Brasil e a França foi um choque porque me tiraram da minha língua nativa, brutalmente, em poucos meses. Aos seis anos de idade, tendo chegado a um novo contexto familiar, ele me forçou a usar apenas o francês e reprimir minha linguagem "nas profundezas de mim mesmo", uma língua que eu não precisava mais usar desde que eu era, de agora em diante. a partir de agora, só para conhecê-la nesta casa que me acolheu. Então eu tive que falar francês que aprendi com minha mãe, mas quando cheguei na França, sem ela, eu me sentia sozinho no mundo com uma parte de mim mesmo vazia de seu substrato. Acho que em três meses perdi completamente o uso do português, uma língua que permaneceu latente no meu inconsciente. 
Então, como eu me lembro, quando fui cumprimentar minha mãe no aeroporto com meus avós, houve um momento de dúvida em mim, porque eu não sabia se eu estava lá para vir. Seja bem vindo ou volte para o Brasil com ela. A primeira vez que eu peguei ela, quando eu estava saindo da área de pouso com a minha irmã já em um carrinho, eu gritei ... Eu realmente queria falar com ela em Português; Tentei dizer alguma coisa em "brasileiro", mas nada saiu da minha garganta, ela e minha irmã tornaram-se para mim a única memória viva da minha passagem nesta terra, tornou-se algo estranho à minha existência. 
Conflitos de interesse causados por uma separação, é por essa razão que sinto o maior ressentimento. A perda de identidade em minha língua natal, quando eu tinha apenas seis anos de idade, foi o maior e mais profundo ato bárbaro que minha família biológica brasileira poderia infligir em minha existência!

Este ato destruiu, de fato, para mim todas as perspectivas profissionais na possibilidade de adquirir uma ocupação intelectual onde seria necessário escrever e ler.

Das minhas deficiências quase doentias e viscerais à escrita e à leitura, ele manteve uma grande sede de aprendizado e, acima de tudo, de entender quem sempre permaneceu intacto em todos os diferentes momentos da minha educação. Em primeiro lugar, desenvolvi uma aliança lingüística com minha mãe, que se tornou uma forma de dependência psicológica e quase tirânica que forma o núcleo emocional de nosso relacionamento. Eu não posso escrever nada sem tentar voltar em forma. É claro que, com o tempo, minha solicitação foi organizada e especificada também. Eu progredi enormemente, meu pensamento se tornou mais complexo, envolveu mais e mais elementos. Devo dizer que comecei muito baixo, nunca o repeti e passei pela minha graduação pela primeira vez. Felizmente, passei em uma escola secundária francesa no Brasil (Liceu Pasteur de São Paulo); os examinadores tiveram a condescendência de conceder-me a declaração de que o francês não era minha língua materna. Eu sempre compensei minha deficiência por escrito com atenção participativa em todas as disciplinas, exceto talvez em matemática e física. Eu sempre atraí a atenção de meus professores, positivamente, devido ao interesse que tive em meus cursos. Lembro-me com que interesse fiz minhas palestras em sociologia, sem perder nenhuma, até comparecer às minhas aulas como se fosse assistir a uma peça, enquanto me concentrava demais para as anotações e não perca nada. Eu percebi particularmente no final do meu primeiro ano de sociologia. Deve ser dito que esse ano, em particular, coloquei muitas coisas em jogo. No começo consegui deixar a vida profissional nos hoteis e a restauração. Depois de vinte e dois meses na indústria, consegui um contrato permanente em uma posição VOD (trabalho em equipe durante o fim de semana na indústria de alta tecnologia na área industrial do meu bairro). Foi o ROLEX dos empregos para poder se reconectar com um currículo universitário. Então eu dei tudo! Durante o fim de semana, eu era um operario de produção de equipe com um contrato de 25 horas por semana e durante a semana voltei para a universidade para um curso de sociologia. Durante o primeiro ano, havia aproximadamente 25 horas de aulas semanais, sem trabalho pessoal para fazer como em qualquer programa universitário. Eu tenho confrontado como na maioria das situações no mundo dos estudantes, tenho que trabalhar para assumir minha independência. Saí do meu quarto na casa da minha mãe aos 19 anos para ir trabalhar, era impossível voltar para casa para estudar! 

Então, no final do ano, explodi nervosamente: essas crises para mim ainda eram algo novo. Eu não tinha a capacidade de impedi-los naquele momento, apenas tentei contê-los, escondê-los, enquanto permanecia por vários dias, até um pouco mais de uma semana, praticamente sem dormir. Naquele momento, era quase bom deixar assim, me sentir naquelas fases de grande eloquência, tendo a impressão de controlar as forças que governam o universo. Nesta espiral incontrolável, é importante lembrar a queda. Por meio de subterfúgios para camuflar meu estado semi-delirante, acabei não controlando nada em um curso de prática com uma jovem professora por quem eu particularmente me envolvi com sua pedagogia do ensino. Como ela não deveria ser muito mais velha do que eu, eu diria até mesmo que estava apaixonada por ela, mas isso nunca foi mais do que isso. Eu gostei especialmente deste curso porque eu era o único que eu tinha em comum com minha irmã A.

No mundo anônimo desta fábrica universitária, era um reconfortante para mim trabalhar com alguém tão próximo, isto é, minha irmã, muito tempo e quando foi para nós a primeira experiência real de intercâmbios intelectuais desde que eu tinha seis anos ( isto é, quando eu passei meu ENEM, A. estava apenas no 6 ano). Então estudar juntos foi algo novo. O corpo de doutorado da universidade se encontrou depois do meu episódio de delírio. Surpreso, mas ciente de que nessa crise eu não estava sob a influência de drogas, era outra coisa ...

Nesse período, a pessoa que realmente precisava de apoio psicológico era minha irmã. Ela não sabia mais onde me esconder para não enfrentar essa situação extrema. Ela foi recomendada a sair, considerando a busca acadêmica de seus estudos com sua magra bolsa de estudos Categoria IV em outra cidade. Foi a solução não nos confrontar para nos encontrar em um curso comum em Toulouse. Tive a solução de ter que me tratar e meu atendimento médico pertencia ao campo da psiquiatria. Dado este problema, recomenda-se que toda a família realize uma terapia e isso é o que foi feito. resiliência de um viajante 

Concordo neste ponto, mas o que eu sou crítico é que ela isola o paciente em sua própria relação com o terapeuta e a evolução de outros membros da família, enfrentando les a sua terapia. De certa forma, eu me tornei um perigo para a busca da universidade da minha irmã. Embora seja precisamente o oposto, essas crises funcionam como uma espécie de "esponja". E enquanto estou vivo, estou aqui para absorver o conflito interno que se desenvolveu em torno da separação de meus pais por nossa herança e afiliação familiar. 

Quanto o A. G., ele viveu toda a sua vida no sonho de Icaro porque, como ele, chegou tão perto do sol que queimou suas asas. Para seu filho, seu segundo casamento, ele abordou o topo do poder brasileiro com uma família tradicional brasileira que pertence à primeira metade dos três mil mais ricos família do Brasil. No entanto, ele vai acabar com sua vida sozinho e muito sozinho em seu apartamento em São Paulo, porque seu irmão, terá entendido que, se ele quer dar-se a ilusão de uma aparência de respeitabilidade para seus próprios filhos, terá que ficar longe de A. G., tendo uma boa consciência nesta história ... 

A. G. conheceu sua segunda esposa, antes que ele conheceu minha mãe, tendo sido sua namorada na adolescência. 

Eles eram conhecidos no Iate Clube no Rio de Janeiro, por serem ambos membros. É um dos clubes mais fechados do Rio. Ela era membro porque faz parte da sociedade mais elitista do Brasil. Eles são chamados de famílias brasileiras tradicionais. Eles fazem parte da aristocracia europeia (o Brasil foi colonizado por Português, francês, holandês e britânico) e são os descendentes diretos dos senhores de escravos, isto é, os comerciantes de escravos. <latifundiários> aqueles que controlam o Brasil por possuir a terra e as plantações agrárias mantidas pelo trabalho escravo. resiliência de um viajante 1

Se A. G. conseguiu abordar tal pessoa, é porque ele era um bom navegador. Aos dezessete anos, foi tricampeão mundial na categoria <Pinguim>. 

É um pouco maior do que o barco "ideal." E que navega com dois, então, ele ficou sob os bons hospícios de Iate Club para ganhar medalhas e restaurar o escudo Carioca dos anos "60". 

Ao mesmo tempo, não era apenas ninguém, meu avô fazia parte de uma pequena classe média de imigrantes no Rio. 

Devo dizer que neste Rio «de la belle époque», era muito mais fácil e mais rápido para ganhar dinheiro para um migrante europeu, Italiano ou francês, enquanto ascendência Africano sempre deixado de lado e não têm acesso mesmas possibilidades para subir o elevador social e isso mesmo hoje, muito depois do fim da escravidão. 

A migração européia antes da guerra foi apreciada pela população. Foi planejado substituir os afrodescendentes, porque eles não sabiam o que fazer! 

Então, quando meu avô morreu, A. G. e seu Irmão receberam ajuda de amigos da família, também da comunidade francesa do Rio de Janeiro, para ajudar minha avó a criar seus filhos. Ambos, A. G. e C. H., juntaram-se a este iate clube muito fechado para praticar uma atividade esportiva: velejar. 

Além disso, por muitos anos, C. H., seu irmão, médico e cirurgião, esteve presente. Proposta como membro pelos amigos da infância do clube. Seus filhos, agora casados e pais, gozam do título do pai. 

Então, em um mundo elitizado ultra codificado da alta sociedade brasileira, começamos a estabelecer relacionamentos. 

A. G. e sua segunda esposa se conheciam e para mim, o mais difícil era ver que tudo tinha sido criado, como um plano para que pudessem retomar a vida juntos quando já eram casados e eram pais da família, respectivamente. 

A verdade está gritando, tudo foi orquestrado, pela minha avó paterna e pelo irmão de A. G. para encorajar um novo vínculo entre eles. A casa da família de minha avó servia de ponto de encontro para ambas dissiparem as suspeitas de minha mãe. 

Deve ser dito que a situação econômica era ruim. Acima de tudo, tinha que evitar vender a casa da família da minha avó, já que a perfumaria tinha sido vendida, não era necessário tocar no dinheiro colocado. Foi um investimento que teve que pagar juros pelo espancamento, sabendo que meu falecido avô era o único que trabalhava e que, como na maioria dos lares brasileiros de classe média, minha Avó era dona de casa. Então, inventamos esse estratagema para salvar a família da falência. 

Era necessário que A. G. recuperasse o amor dessa rica herdeira, até mesmo para despejar sua esposa e deixar seus próprios filhos. Mas nesta história contada por minha mãe, tenho a impressão de que esse estratagema já havia sido manobrado há muito tempo. 

A. G. fora estudar na França, em Paris, onde conheceu minha mãe porque queria conhecer a pátria de seu falecido pai quando ainda era criança. Mas a força motriz dessa decisão foi a ruptura com essa jovem herdeira da descendência francesa também. (Mais exatamente Belga de ascendência francesa).

Ele havia jurado que iria para a França e que seria casado com uma garota francesa pelo preço que lhe custasse. Então foi a vingança que serviu de cimento para unir meus pais sem que minha mãe tivesse nenhum verdadeiramente, consciência, antes de vir morar com o marido em seu país. 

E é o ciúme, que serviria de escape, nas celebrações mundanas Carioca, para reconquistar o machismo masculino de A. G. .

O glorioso navegador A. G. retornou, depois de ter passado cinco anos na França para fazer uma escola de negócios, casado com o braço de uma francesa ... 

(toda a comunidade francesa do Rio de Janeiro na época poderia comentar sobre a novidade).

Foi a grande vitória e em frente ao L.´s decidiu começar a remover a vergonha de ter sido derrubado por esta rica herdeira. 

além disso, depois de tudo, não é C. H., que deu a luz a minha irmã em sua clínica particular nos subúrbios do Rio? 

Então teríamos pelo menos isso para dar ao nosso tio do Rio, para poder voltar à França alguns meses depois com a nossa família em boa saúde. Mas minha mãe não poderia ter mais filhos. 

Como minha mãe poderia ter feito uma nova vida com dois filhos dependentes nessas condições? 

Sim, o destino nos uniu A., mamãe e eu isso além dos oceanos com nossa história e o Brasil. 

Fabien Liquori,  <La Légende de l´homme aux souliers d´argent>

após as correções.

-resiliencia13
resiliencia7
resiliencia6
resiliencia3
-resiliencia12
-resiliencia11
-resiliencia10
-resiliencia9
-resiliencia5
-resiliencia4

 

Rio Vermelho CP 2102 41950-970 Salvador – Bahia – Brasil +55 (71) 3261 3400 +55 (71) 9993 42484 horta.fatumbi.fabi@gmail.com

Este site usa cookies para sua operação e medição de audiência.