Carnaval

Filhos de Gandhy - Bahia

-gandhy2
-gandhy3
-gandhy4
-gandhy5
-gandhy6
-gandhy7
-gandhy8
-gandhy9
-gandhy10
-gandhy11
Primeiras impressões do "Pelô"

 

"... Esta é a primeira vez desde que cheguei em Salvador (isto é, uma semana) que minha imagem como um estranho foi enviada para mim com tanta violência." Eu me senti muito desconfortável neste lindo lugar.

A "agressão" deste turismo de massa é quase permanente.

O Mercado Modelo está cheio de pequenas lojas de souvenirs. Aqui, berimbaus e outros objetos tradicionais são produzidos em massa, todos pintados em cores extravagantes. Um especialista em capoeira me admitiu, algumas semanas depois, que eles eram de muito má qualidade, que só podiam ser usados para pendurar na parede. Nesta parte da cidade, tudo é feito para confirmar a imagem de Salvador, em sua dimensão cultural, como um espelho da África no Brasil. Mas essa cultura não é também um reflexo de sua própria autoprodução turística?

Comecei a observar um pequeno grupo de franceses com mais o menos cinquentos anos . Um deles com uma câmera "Sony" de última geração no punho, uma bolsa de câmera pendurada no ombro e um cinto com vários bolsos dos quais ele tirava seu dinheiro. Essa invasão colonial de tanta tecnologia começou a atrair olhares e luxúria.

Um adolescente se aproximou e começou a mostrar colares feitos de penas, madeira, pedras e sementes. Alguns segundos depois, começaram a discutir o preço de um dos colares escolhidos e passaram pelo pescoço. Um menino de doze anos de idade veio para se misturar com a conversa. O vendedor disse que o preço de "cinco", assinando com os dedos. O francês não parece surpreso, mas o garoto diz "dólar" olhando para o vendedor. O francês, sem hesitação, começou a procurar dinheiro em sua carteira, dez reais (5 dólares em vez de 5 reais, preço fixado por confusão). O turista continuou perguntando se ele não tinha o mesmo colar para seu amigo. O vendedor pediu para esperar um momento e que em uma hora ele retornaria o mesmo colar que ele já havia comprado.

Mas o turista, apressado, recusou-se a esperar uma hora. O vendedor insistiu em oferecer-se para passar a noite em seu hotel. O turista recusou categoricamente como se fosse tarde demais, seu desejo, seu momento de graça já havia passado. Ele lhe dera os dez reais do primeiro colar por capricho, num simples impulso passageiro, porque lhe é permitido dar tal soma, o equivalente ao salário de um dia de trabalho pelo mero capricho de um momento.

Não fiquei muito tempo neste Pelourinho durante meu primeiro encontro. A violência simbólica desse lugar turístico me pegou pela garganta. Eu tive uma primeira impressão bastante negativa. Ao sair, um garoto de uns quinze anos me atormenta na rua, ele começa a me contar que tem quatro irmãos e uma irmã e que mora com a avó. Ele me pergunta de onde eu venho e ele diz: "Você é paulista?" Eu respondo "sim" porque também não foi ruim. Ele começa me dizendo que ele é sério, cheio de boa vontade, que ele sempre ajuda os idosos a atravessar a rua. Ele me diz que não quer dinheiro, mas que ele poderia comprar uma caixa de leite para ajudar sua família. Eu o acompanho, hesitante, fraqueza de minha parte ou medo de atrair a raiva da falta de caridade. Ele me acompanha por um breve momento, me oferece para esperar até a hora de pedir (ou revender) a caixa de leite que acabei de comprar para ele. Eu disse a ele que certamente teríamos a oportunidade de nos ver na próxima vez. Voltarei a este lugar ligado à cultura baiana, recapturado pelas circunstâncias do turismo, lugar onde se cultivam contradições e paradoxos …»

"Tradição reinventada

Para uma definição de tradição.

Frequentemente, a frequência de uso de certas palavras é inversamente proporcional à clareza de seu conteúdo. O uso quase obrigatório do termo "tradicional" na etnologia, na sociologia e nas ciências sociais em geral tem algumas desvantagens.

Ajuda a consolidar um quadro de referência constituído por um sistema binário de oposição (tradição / mudança, sociedade tradicional / sociedade moderna) cuja relevância pode ser problemática se atribuirmos a essas oposições um valor genérico como a cultura. Nesse contexto, em tal meandro cosmopolita, como podemos distinguir a tradicional cultura afro-baiana? Já que, por definição, é produto de choque cultural, de alteridade, de mistura e miscigenação?

Mas o que exatamente é uma tradição? De acordo com que critérios é possível organizar o censo de tal fato? Quais critérios, consequentemente, seriam privados de um fato não tradicional?

Primeiro, notamos que o conteúdo da noção de tradição, como é mais frequentemente usado nas ciências sociais, não é de todo fora de sintonia com a atual aceitação da tradição prazo. Em suma, a tradição nas ciências sociais é muitas vezes confundida com a tradição do senso comum, a tradição da etnologia faz parte de uma representação cultural e convencional de tempo e da história.

Ou seja, a tradição é uma representação do tempo linear, uma história em que se pensa que o passado está atrás de nós e sempre desaparece em um novo presente. Portanto, pode-se supor que apenas a cultura ocidental moderna considera a tradição e a mudança como fundamentalmente antinômicas.

Essa distinção que fazemos sem pensar ocorre entre o passado e o presente, entre o estático e o dinâmico, entre a continuidade e a descontinuidade. Nós tendemos a confundir a história com a mudança, como se a relevância de um estado de coisas ao longo do tempo não fosse histórica, como se a única mudança fosse a história.

Mas não deveríamos ver a tradição não mais linearmente, mas sim de maneira cíclica? Aqui «o evento não é mais visto como único e original, mas como idêntico ao original. A experiência do passado é no presente. Em vez de uma ruptura entre passado e presente, considera-se que o passado está constantemente se junta a presente, sendo o presente uma espécie de repetição».

A noção de tradição refere-se primeiro à ideia de uma posição e um movimento no tempo. A tradição seria um fato de permanência do passado no presente, uma sobrevivência no trabalho, algo que deveria ser preservado e transferido para algo novo. A missão do sociólogo e do etnólogo seria coletar os elementos do passado que ainda são observáveis ​​no presente, formando uma herança. Mas tudo que vem do passado não é tradicional. A tradição não transmite todo o passado, é uma filtragem, a tradição viria dessa classificação. Por exemplo, em nossos olhos ocidentais, a religião aparece como o campo quintessencial da tradição. Quando falamos da tradição deste ou daquele povo, não nos referimos a nenhum tipo de instituição, declaração ou prática. Assim, associamos a tradição a uma mensagem específica.

Por outro lado, a noção de tradição evoca a ideia de um certo modo de transmissão. Se tudo o que sobrevive do passado não é tradição, então tudo que é transmitido não forma necessariamente a tradição.

O que o caracteriza não é apenas o fato de ser transmitido, mas os meios pelos quais ele é transmitido. O termo tradição vem do latim "traditio", que significa não uma coisa transmitida, mas o ato de transmitir.

De um modo muito geral, podemos designar como tradicional, neste terceiro sentido, o que acontece de geração em geração por meio essencialmente não escrito.

 

Rio Vermelho CP 2102 41950-970 Salvador – Bahia – Brasil +55 (71) 3261 3400 +55 (71) 9993 42484 horta.fatumbi.fabi@gmail.com

Este site usa cookies para sua operação e medição de audiência.